Novidades

Quatro dicas do que não fazer na Black Friday

A Black Friday ocorre um dia após o feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos. A tradição teve início porque os norte-americanos não têm o costume de fazer compras até o término do feriado, ou seja, a data veio como uma solução para a “baixa” do varejo. Seguindo a tendência, o comércio brasileiro incorporou a Black Friday em 2010 e, desde então, entrou para o calendário das datas chaves do varejo. Muitos consumidores aproveitam os descontos e já adiantam as compras do Natal; outros tantos esperam o ano inteiro para usufruir das promoções na última sexta-feira de novembro. Para os comerciantes, a medida é como um termômetro do que esperar das vendas que serão realizadas nas festas de dezembro.

Para este ano, as perspectivas são otimistas: a estimativa é que a data movimente mais de R$ 2 bilhões, o que representa uma alta de 15% em comparação com 2016 de acordo com dados do EBit. O faturamento na Black Friday é proveniente de promoções realizadas por diversas lojas físicas e virtuais. O lojista precisa estar atento, porém, em como serão realizadas essas ofertas para que não perca dinheiro ou a confiança do cliente.

Confira quatro dicas do que não fazer em uma das datas mais esperadas do ano pelo varejo:

1 - Não promova a metade do dobro:

Um erro clássico cometido por muitos varejistas que querem participar da Black Friday, sem comprometer suas margens. Entenda: os consumidores são inteligentes e não caem mais nesse tipo de armadilha. O tiro pode (e vai) sair pela culatra e, além de não realizar a venda, sua imagem diante do cliente ficará prejudicada.

2 - Não dê pouco desconto aos seus clientes:

A Black Friday tem por tradição ser a data com os descontos mais agressivos do varejo: se você criar uma comunicação falando que são ofertas de Black Friday e o desconto para o cliente não refletir essa expectativa, ele irá se frustrar e, consequentemente, tende a não comprar na sua loja.

3 - Não coloque todos os produtos em promoção:

Para aumentar sua margem e não prejudicá-la no mês seguinte, você pode escolher os produtos que estão com alto estoque, de coleções passadas (no caso de varejo de moda, por exemplo) ou categorias que apresentem uma margem mais alta para colocar em oferta. No varejo alimentar, podemos citar algumas categorias que, tradicionalmente, entregam mais margem, como vinhos, cervejas especiais e produtos de importação própria.

4 - Não atue sozinho:

Ninguém gosta de fazer promoções que comprometam a sua margem. Por isso, para uma Black Friday de sucesso, compartilhe suas estratégias com a indústria e divida a conta com eles. Afinal, todos serão beneficiados com o aumento de volume na venda.

Sem dúvida, a Black Friday é uma grande oportunidade para alavancar os resultados de venda e aprimorar estratégias de promoção voltadas ao consumidor. Entendendo o perfil do cliente e executando ações corretas e bem pensadas, a data tem grande potencial de trazer inúmeros benefícios para o setor varejista.

Fonte: administradores

Vem Falar com a gente

Localização Av. São Sebastião, 3055c, Goiabeiras, Cuiabá- MT.